Home
Doenca
Celíaca
Acelbra
Minha
História
Produtos
Eventos
Fale
Conosco



O QUE É A DOENÇA CELÍACA ?

É uma intolerância permanente ao Glúten que acomete indivíduos com
predisposição genética.

A Doença Celíaca geralmente se manifesta na infância, entre o primeiro e
o terceiro ano de vida (Na introdução de alimentação à base de papinhas engrossadas com cereais proibidos, com bolachas, pão, sopinhas de macarrão...), podendo
surgir em qualquer idade, inclusive no adulto.


Foto de uma criança celíaca onde percebe-se a distenção abdominal (barriga inchada), perninhas e bracinhos finos. Essa criança também apresenta glúteos (bumbum) atrofiado.


O QUE É O GLÚTEN ?

É uma proteína presente no TRIGO, na AVEIA, na CEVADA (no subproduto
da cevada, que é o MALTE) e no CENTEIO (T.A.C.C.) e em todos os
alimentos e produtos preparados com esses cereais.

O Glúten não desaparece quando os alimentos são assados ou cozidos.

A fração tóxica do Glúten encontrada no TRIGO é chamada de Gliadina.

O Glúten agride e danifica as vilosidades do intestino delgado prejudicando
a absorção dos nutrientes dos alimentos.


Mucosa do Intestino Delgado
com Vilosidade Normal
Mucosa do Intestino Delgado
com Vilosidade Atrofiada
causada pela Doença Celíaca

QUAIS OS SINTOMAS MAIS COMUNS ?

Os sintomas podem variar de pessoa para pessoa.
Em nosso meio, o quadro clínico mais comum é caracterizado por diarréia crônica acompanhada de barriga inchada e perda de peso, além de vômitos, anemia,
atraso no crescimento, irritabilidade e apatia.


O quadro abaixo apresenta as manifestações clínicas da doença celíaca, assim como os grupos de risco que devem ser investigados para o diagnóstico desta intolerância.

FORMA CLÁSSICA:

  • Diarréia Crônica;

FORMA ATÍPICA:

  • Baixa estatura;

  • Anemia por deficiência de ferro refratária à ferroterapia oral, anemia por deficiência de folato e vitamina B12;

  • Osteoporose;

  • Hipoplasia do esmalte dentário;

  • Artralgias ou artrites;

  • Constipação intestinal refratária ao tratamento;

  • Atraso puberal, irregularidade do ciclo menstrual;

  • Esterilidade;

  • Aborto de repetição;

  • Ataxia, epilepsia (isolada ou associada a calcificação cerebral), neuropatia periférica, miopatia;

  • Manifestações psiquiátricas (depressão, autismo, esquizofrenia);

  • Úlcera aftosa recorrente;

  • Elevação das enzimas hepáticas sem causa aparente;

  • Fraqueza ou perda de peso sem causa aparente;

  • Edema de aparição abrupta após infecção ou cirurgia;


GRUPOS DE RISCO:

  • Familiares de primeiro grau de pacientes com doença celíaca;

  • Anemia por deficiência de ferro refratária à ferroterapia oral;

  • Redução da densidade mineral óssea;

  • Atraso puberal ou baixa estatura sem causa aparente;

  • Portadores de doenças auto-imunes como diabetes melito insulino dependente, tireoidite auto-imune, deficiência seletiva de IgA, síndrome de Sjögren, colestase auto-imune, miocardite auto-imune;

  • Síndrome de Down;

  • Síndrome de Turner;

  • Síndrome de Williams;

  • Infertilidade;

  • História de aborto espontâneo;

  • Dermatite herpetiforme

O QUE É DERMATITE HERPETIFORME ?

Pode ser considerada uma variante da doença celíaca em que o indivíduo
apresenta lesões de pele pruriginosas, apresentando também
intolerância permanente ao Glúten.







Gengivas
Braços
Cotovelos
Pernas

COMO SE FAZ O DIAGNÓSTICO DA DOENÇA CELÍACA ?

Através de exames sorológicos como os anticorpos antigliadina ou antiendomísio
ou antitransglutaminase, os dois últimos mais precisos.

É Absolutamente Necessária a realização da biópsia do intestino delgado (BID)
para estabelecer o diagnóstico da Doença Celíaca.

Não existem motivos que justifiquem iniciar dieta isenta de glúten sem realizar a biópsia.
A mesma pode ser realizada por cápsula conforme a metodologia clássica,
ou por endoscopia digestiva alta. Em ambos os casos é importante o envolvimento
de profissionais habituados com o diagnóstico da doença celíaca,
tanto para a obtenção dos fragmentos intestinais como para sua avaliação.


QUAL O TRATAMENTO ?


O único tratamento consiste na dieta isenta de glúten por toda a vida.

O tratamento parece simples, porém inúmeros problemas podem
levar o paciente a transgredir a dieta, como por exemplo:

  • Desconhecimento dos cereais proibidos, assim como que o glúten deve sempre
    ser excluído da dieta, não se podendo comer nem um pouquinho;

  • Descrença quanto à quantidade dos cereais proibidos (qualquer quantidade de glúten é prejudicial e agressiva aos celíacos);

  • Dificuldades financeiras, pois os alimentos permitidos
    são os de custo mais alto;

  • Hábito do uso de farinha de trigo na alimentação
    (pão, macarrão, bolachas, biscoitos, bolos, empanados com
    farinha de trigo, farinha de pão ou de rosca);

  • Falta de habilidade culinária para preparar alimentos substitutivos;

  • Forte pressão da propaganda de alimentos industrializados
    proibidos que leva ao consumo de tais produtos e,

  • Rótulos ou embalagens que nem sempre contêm a composição
    correta ou bem clara dos ingredientes.

Posso comer

Não posso comer

É INFINITA A LISTA DE ALIMENTOS QUE O CELÍACO PODE COMER.

SÓ PARA LEMBRAR...

CEREAIS: Milho, Arroz...

FARINHAS: Arroz, Mandioca, Milho, Fubá, Fécula de Batata, Fécula de Mandioca, Polvilho Doce, Polvilho Azedo...
 
GORDURAS: Gordura Vegetal, Óleos, Margarinas...

LATICÍNIOS: Leite, Manteiga, Queijos, Derivados...

CARNES e OVOS: Aves, Suínos,  
Bovinos, Caprinos, Miúdos, Peixes, Frutos do Mar...

HORTALIÇAS E LEGUMINOSAS:
Folhosas, Legumes,
Tubérculos (Feijão, Cará, 
Inhame, Soja, Grão de Bico, 
Ervilha, Lentilha, Batata, 
Mandioca...

FRUTAS: Todas, ao natural e sucos.

ALIMENTOS INDUSTRIALIZADOS:

Lei 10.674 de 16/05/2003 sancionada pelo Presidente Luíz Inácio Lula da Silva, em vigor desde 16/05/2004 institui:

Art. 1º Todos os alimentos industrializados deverão conter em seu rótulo e bula, obrigatoriamente, as inscrições
"Contém Glúten" ou
"Não Contém Glúten",
conforme o caso.

§ 1º A advertência deve ser impressa nos rótulos e embalagens dos produtos respectivos assim como em cartazes e materiais de divulgação em caracteres com destaque, nítidos e de fácil leitura.

§ 2º As indústrias alimentícias ligadas ao setor terão o prazo de um ano, a contar da publicação desta Lei, para tomar as medidas necessárias ao seu cumprimento.

NENHUM ALIMENTO QUE CONTENHA:

TRIGO, AVEIA,

CENTEIO, CEVADA

e MALTE.


ATENÇÃO

Qualquer quantidade de Glúten, por mínima que seja, é prejudicial para o celíaco;

Leia com atenção todos os rótulos ou embalagens de produtos 
industrializados e, em caso de dúvida, consulte o fabricante, se persistir a dúvida, não consuma;

Não reutilize óleos onde foram fritos empanados com 
Farinha de Trigo ou Farinha de Rosca (feita de pão torrado);

Não engrosse pudins, cremes ou molhos com Farinha de Trigo, use Amido de Milho;

Não utilize as farinhas proibidas para polvilhar assadeiras ou formas.


A L E R T A

Cuidado com peixes grelhados, pois, em muitos locais coloca-se Farinha de Trigo na grelha ou no peixe para evitar que ele grude na chapa ou grelha.
Peça para mudar para Fubá ou Farinha de Mandioca; 


Muitos se esquecem que Farinha de Rosca ou Farinha de Pão também são alimentos proibidos.

Ambos são derivados do pão confeccionado com Farinha de Trigo, por isso, cuidado com empanados.




| HOME | DOENÇA CELÍACA | ACELBRA | MINHA HISTÓRIA | PÃES SEM GLÚTEN MARILIS | EVENTOS | FALE CONOSCO |



Rua Cachoeira, 623 M - Catumbi - 03024-000 - São Paulo - SP - Tel.: (0xx11) 2692-6244 - Fax: (0xx11) 2695-3621